Contos que Mal-Acabro - 1

Lucy in Rocktown
Lucy era uma menininha de 30 anos. Caminhava pela rua tarde da noite, nenhum rato se arriscava a sair naquela noite fria e chuvosa. Quer dizer, não estava chovendo literalmente, discutir o tempo era perda de tempo. Até por que naquela pequena cidade de arranha-céus, o povo fez justiça com as próprias mãos. Os metereológos (metereologista nesta cidade) foram mortos a sangue frio. Eles haviam previsto que viria para aquela cidade uma tempestade de areia de um lado e uma de granizo do outro. Isso era a gota d'água. Não houve enterro.
A cidade tinha passado por um caos durante o dia. Mas à noite, onde Lucy estava, tudo estava tão tranquilo, mas não menos assustador. A cidade era conhecida por aparições relâmpagos de seres abomináveis, tão abomináveis que colocavam Fred e Jason no chinelo (havaianas). Mas Lucy não estava nem ai. Aliás, estava sim. Fato é que fora demitida de seu emprego, ela fabricava chinelos havaianas numa fábrica perto de onde andava. A fábrica trabalhava incessantemente para cobrir a festa anual desta cidade, o dia do chinelo. Por incrível que pareça, chinelo era coisa de rico. E era o sustento da Rocktown.
Lá pelas tantas, Lucy encontrou um mendigo que levava nas mãos seu inseparável combustível. Quando a menininha passou por ele, ouviu o cara dizer algumas palavras em turco-otomano. Ela não deu muita bola no início, mas como havia feito curso deste idioma na fábrica, voltou e perguntou, em turco-otomano, o que ele disse. Ele repetiu as palavras.
Lucy ficou assustada e saiu correndo. Como podia um reles mendigo falar uma frase e a assustar tanto assim? Seu coração saltou pela boca, mas Lucy o pegou de volta com as mãos sujas e colocou no lugar. Os postes iluminavam as portas fechadas. Faltava muito para abrirem, mas Lucy as queria abertas. Ainda se encontrava longe de sua casa. Lembrou da casa de uma amiga da escola primária (fazia supletivo quando podia), e correu para lá. Passou por outros mendigos comemorando sabe-se lá o que.
Chegou aflita na porta da casa da Nora, outra menininha de 34 anos. Ela acordou meio tonta e acabou abrindo a janela. E mostrou que estava tonta caindo de lá. Uma equipe de reportagens do jornal A Fofoca É Brava flagrou o incidente e noticiou no dia seguinte: Suicida se atira de janela do pavimento térreo. Não houve enterro.
Lucy correu para ajudar a amiga, que estava sob o efeito de remédios. Levou-a para a cama e disse, mesmo sabendo que Nora não estava no mundo real (pois ela estava percebendo coisa nesse lugar que afetavam a memória), que queria usar o telefone. Ela foi até o aparelho e digitou alguns números, alguns, não digitou o 3, 5 e 6 no entanto repetiu inúmeras vezes o 9 e o 2. Ouviu uma mensagem: "Este número está bloqueado para esse tipo de serviço!". Então, revirando a mesa já meio bagunçada, encontrou um papel que parecia de algo importante. Quando viu os números, quase caiu para trás. Mas se recompôs quando ouviu um grito feminino vindo dos quartos.
Ao entrar no dormitório de Nora, nada de incomum, sua amiga estava apenas desacordada. Achou que teria gritado enquanto dormia, sonhando com sua face no espelho na manhã seguinte. Mas Lucy quase caiu para trás novamente, ao ouvir o mesmo grito vindo de outro quarto. Percebeu que não era de Nora e foi até o outro quarto. Antes de abrir a porta, o vizinho do lado aumentou o volume da TV, onde assistia um filme de suspense onde havia uma musiqueta de suspense, e essa musiqueta começa a tocar nesse momento (que parecia ser de suspense).
A garotinha se surpreendeu com o que viu. No outro quarto, estirado no chão, estava seu ex-namorado, um ex-jogador de bocha do Old Bocha Clube. Ele estava com um simbolo nazista marcado no peito e com uma estrela de seis pontas desenhado na careca. Ela quase vomitou em cima do sujeito, mas conseguiu desviar a tempo, largando tudo o que tinham em papéis importantes na mesa. Após se recompor outra vez, Lucy foi ver se o ex estava vivo. Mas antes de tomar o pulso, quase morreu de susto quando o cara deu mais um daqueles gritos femininos.
A porta atrás de Lucy se abre e estão três homens com sobretudo verde marca-texto, que a pegam e levam-na para seu carro lá fora, um Del Rey com o chassi todo amassado. Eles aplicam uma injeção no braço da menina e a última coisa que ela vê é um dos homens de verde desmaiando, isso por que o aplicador da injeção errou o alvo na primeira vez...
Ela acorda algum tempo depois. Está atirada no meio da rua. Era a Avenida Ghost Soldier. Estava meia zonza, mais pra lá do que pra cá. Algumas lembranças vinham a sua cabeça, como o de um palhaço fazendo cócegas em si mesmo, o de um prédio desabando no deserto, de uma formiga atômica, entre outras imagens sem o maior sentido. Ela levantou-se e olhou para frente. Lá estava o mesmo mendigo falando o mesmo turco-otomano, com o mesmo combustível, só que agora mais vazio.
Ela estava sem rumo, parecia não conhecer mais a cidade. Era apenas 2h da manhã; onde quer que fosse estaria tudo fechado. Procurou em seus bolsos o papel que ela precisava mas não conseguiu pegar antes de sair da casa de Nora. Olhou novamente para o mendigo. Ele havia lhe dito algo importante, mas, e se fosse mentira? Ele podia ser bem o Mestre dos Magos e dar conselhos infundados a levando para o lado ruim. Ou poderia ser um E.T. de uma galáxia bem safada...
Lucy estava entre duas alternativas: voltar pra casa e dormir pra trabalhar amanhã, mesmo estando desempregada, ou voltar até a casa da amiga e de seu ex (que por um acaso era irmão de Nora e tinha seus 40 aninhos) para esclarecer todas essa algazarra. Ou não se chamava Lucy Alguma Coisa.

Cientistas Famosos que Criam em Deus

por
Richard L. Deem

1. Nicolau Copérnico (1473-1543)
Copérnico foi o astrônomo polonês que propôs o primeiro sistema de planetas matematicamente baseado ao redor do sol. Ele lecionou em várias universidades européias, e tornou-se um cônego da igreja Católica em 1497. Seu novo sistema foi apresentado realmente pela primeira vez nos jardins do Vaticano, em 1533, ao Papa Clemente VII, que o aprovou, e Copérnico foi encorajado a publicá-lo sem demoras. Copérnico nunca esteve sob qualquer ameaça de perseguição religiosa - e ele foi encorajado a publicar a sua obra tanto pelo Bispo Católico Guise, como também pelo Cardeal Schonberg e pelo Professor Protestante George Rheticus. Copérnico se referia às vezes a Deus em suas obras, e não via seu sistema como em conflito com a Bíblia.

2. Johannes Kepler (1571-1630)
Kepler foi um brilhante matemático e astrônomo. Ele primeiramente trabalhou com a luz, e estabeleceu as leis do movimento planetário em torno do sol. Ele também chegou perto de atingir o conceito Newtoniano da gravidade universal - bem antes de Newton nascer! Sua introdução da idéia de força na astronomia, a mudou radicalmente numa direção moderna. Kepler era um luterano extremamente sincero e piedoso, cujas obras sobre a astronomia continham escritos sobre como o espaço e os corpos celestiais representam a Trindade. Kleper não sofreu perseguição por causa de sua aberta confissão de um sistema heliocêntrico, e, deveras, foi lhe permitido, mesmo sendo um protestante, permanecer na Universidade Católica de Graz como um professor (1595-1600), quando outros protestantes tinham sido expulsos!

3. Galileu Galilei (1564-1642)
Galileu é freqüentemente lembrado por seu conflito com a Igreja Católica Romana. Sua obra controversa sobre o sistema solar foi publicada em 1663. Ela não tinha provas de um sistema solar heliocêntrico (as descobertas do telescópio de Galileu não indicavam uma terra em movimento), e sua única "prova", baseada sobre as marés, era inválida. Ela ignorou as órbitas elípticas corretas dos planetas, publicadas há vinte e cinco anos atrás, por Kepler. Visto que sua obra acabou colocando o argumento favorito do Papa na boca do tolo no diálogo, o Papa (um velho amigo de Galileu) ficou muito ofendido. Após o "teste" e, tendo sido proibido de ensinar o sistema heliocêntrico, Galileu fez sua obra teórica mais útil, que foi sobre dinâmica. Galileu disse expressamente que a Bíblia não podia errar, ele viu seu sistema relacionado ao assunto de como a Bíblia deve ser interpretada.

4. René Descartes (1596-1650)
Descartes foi um matemático, cientista e filósofo francês, que tem sido chamado o pai da filosofia moderna. Seus estudos escolares fizeram com que ele ficasse insatisfeito com a filosofia precedente: Ele tinha uma profunda fé religiosa como um Católico, que ele reteve até o dia de sua morte, junto com desejo resoluto e apaixonado de descobrir a verdade. Aos 24 anos de idade teve um sonho, e sentiu o chamado vocacional para buscar trazer o conhecimento num único sistema de pensamento. Seu sistema começou perguntando o que se pode ser conhecido, se tudo mais for duvidoso - sugerindo o famoso "Penso, logo existo". Realmente, é freqüentemente esquecido que o próximo passo para Descartes foi estabelecer a mais próxima certeza da existência de Deus - porque somente se Deus existe e não queira que sejamos enganados pelas nossas experiências, podemos confiar em nossos sentidos e processos lógicos de pensamento. Deus é, portanto, central em toda a sua filosofia. O que ele realmente queira, era ver sua filosofia adotada como padrão do ensino Católico. René Descartes e Francis Bacon (1561-1626) são geralmente considerados como as figuras-chave no desenvolvimento da metodologia científica. Ambos tinham sistemas nos quais Deus era importante, e ambos pareciam mais devotos do que o normal para a sua era.
5. Isaac Newton (1642-1727)
Na ótica, mecânica e matemática, Newton foi uma figura de gênio e inovação indisputável. Em toda sua ciência (incluindo a química), ele viu a matemática e os números como centrais. O que é menos conhecido é que ele foi devotamente religioso e via os números como envolvidos no entendimento do plano de Deus, na Bíblia, para a história. Ele produziu uma grande quantia de trabalho sobre numerologia bíblica, e, embora alguns aspectos de suas crenças não fossem ortodoxos, ele estimava a teologia como muito importante. Em seu sistema de física, Deus é essencial para a natureza e a perfeição do espaço. Em Principia ele declarou: "Este magnífico sistema do sol, planetas e cometas, poderia proceder somente do conselho e domínio de um Ser inteligente e poderoso. E, se as estrelas fixas são os centros de outros sistemas similares, estes, sendo formados pelo mesmo conselho sábio, devem estar todos sujeitos ao domínio de Alguém; especialmente visto que a luz das estrelas fixas é da mesma natureza que a luz do sol e que a luz passa de cada sistema para todos os outros sistemas: e para que os sistemas das estrelas fixas não caiam, devido à sua gravidade, uns sobre os outros, Ele colocou esses sistemas a imensas distâncias entre si.".

6. Robert Boyle (1791-1867)
Um dos fundadores e um dos primeiros membro-chave da Sociedade Real, Boyle deu seu nome à "Lei de Boyle" para os gases, e também escreveu uma obra importante sobre química. A Enciclopédia Britânica diz dele: "Por sua vontade ele doou uma série de leituras, ou sermões, que ainda continuam, para defender a religião Cristã contra os infiéis notórios...Como um Protestante devoto, Boyle teve um interesse especial na promoção da religião Cristã no exterior, dando dinheiro para traduzir e publicar o Novo Testamento para o irlandês e turco. Em 1690, ele desenvolveu suas visões teológicas no The Christian Virtuoso (O Cristão Virtuoso), que ele escreveu para mostrar que o estudo da natureza era um dever religioso central". Boyle escreveu contra os ateus em seus dias (a noção de que o ateísmo é uma invenção moderna é um mito), e foi claramente um Cristão muito mais devoto do que a maioria em sua época.

7. Michael Faraday (1791-1867)
O filho de um ferreiro que se tornou um dos maiores cientistas do século XIX. Sua obra sobre a eletricidade e magnetismo não somente revolucionou a física, mas conduziu à muitas coisas que fazem parte do nosso estilo de vida hoje, as quais dependem dela (incluindo computadores, linhas de telefone e web sites). Faraday foi um Cristão devoto, membro do Sandemanianismo [Nota do tradutor: seita cristã fundada em aproximadamente 1730, na Escócia, por John Glas (1695-1773), um ministro presbiteriano da Igreja da Escócia, juntamente com o seu genro, Robert Sanderman, de quem é derivado o nome da seita], o que significativamente o influenciou e fortemente afetou a maneira na qual ele se aproximou e interpretou a natureza. Os Sandemanianos se originaram dos presbiterianos que rejeitaram a idéia de igrejas estatais, e tentaram voltar ao tipo de Cristianismo do Novo Testamento.

8. Gregor Mendel (1822-1884)
Mendel foi o primeiro a lançar os fundamentos matemáticos da genética, o qual veio a ser chamado "Mendelianismo". Ele começou sua pesquisa em 1856 (três anos antes de Darwin publicou sua Origens das Espécies) no jardim do Monastério no qual ele era um monge. Mendel foi eleito Abade de seu Monastério em 1868. Sua obra permaneceu comparativamente desconhecida até a virada do século, quando uma nova geração de botânicos começaram a achar resultados similares e a "redescobri-lo" (embora suas idéias não fossem idênticas às suas). Um ponto interessante é que 1860 foi a década da formação do X-Clube, dedicado à diminuição das influências religiosas e propagação de uma imagem de "conflito" entre ciência e religião. Um simpatizante foi Francis Galton, primo de Darwin, cujo interesse científico estava na genética (um proponente da eugenia - aperfeiçoamento da raça humana para "melhorar" o estoque). Ele estava escrevendo sobre como a "mente sacerdotal" não era propícia à ciência, enquanto que, quase ao mesmo tempo, um monge australiano estava dando um santo inovador na genética. A redescoberta da obra de Mendel veio tarde demais para afetar a contribuição de Galton.

9. Kelvin (William Thompson) (1824-1907)
Kelvin foi o primeiro dentre um pequeno grupo de cientistas britânicos que ajudaram a lançar os fundamentos da física moderna. Sua obra cobriu várias áreas da física, e é dito ele ter mais cartas com o seu nome do que qualquer outra pessoa na Comunidade Britânica, visto que ele recebeu numerosos graus de honorários das Universidades Européias, que reconheceram o valor de sua obra. Ele foi um Cristão muito comprometido, certamente mais religioso que a maioria de sua época. Interessantemente, seus companheiros físicos, George Gabriel Stokes (1819-1903) e James Clerk Maxwell (1831-1879), foram também homens de profundo comprometimento Cristão, numa era quando muitos eram Cristãos nominais e apáticos, ou simplesmente anti-Cristãos. A Enciclopédia Britânica diz: "Maxwell é considerado por muitos dos físicos modernos como o cientista do século XIX que teve a maior influência sobre os físicos do século XX; ele é posto ao lado de Sir Isaac Newton e Albert Einstein, por causa da natureza fundamental de suas contribuições". Lord Kelvin foi um criacionista da Terra antiga, que estimava a idade da Terra como sendo algo entre 20 milhões e 100 milhões de anos, com um limite máximo de 500 milhões, baseado nas taxas refrescantes.

10. Max Planck (1858-1947)
Planck fez muitas contribuições para a física, mas é mais conhecido pela teoria quantum, a qual tem revolucionado nosso entendimento dos mundos atômicos e sub-atômicos. Em sua palestra "Religião e Ciência Natural", Planck expressou a visão de que Deus está presente em todos os lugares, e sustentou que "a santidade da Deidade inteligível é transmitida pela santidade de símbolos". Os ateus, ele pensava, dão muita atenção ao que são meramente símbolos. Planck foi um representante da igreja de 1920 até a sua morte, e cria num Deus todo-poderoso, onisciente e beneficente (embora não necessariamente um Deus pessoal). Tanto a ciência como a religião travaram uma "incansável batalha contra o ceticismo e dogmatismo, contra a incredulidade e a superstição", com o objetivo "direcionado para Deus!"

11. Albert Einstein (1879-1955)
Einstein é provavelmente o cientista mais conhecido e mais altamente reverenciado do século XX, e está associado com as maiores revoluções em nosso pensamento sobre tempo, gravidade e a conversão de matéria em energia (E=mc2). Embora nunca tenha chegado a crer num Deus pessoal, ele reconheceu a impossibilidade de um universo não-criado. A Enciclopédia Britânica diz dele: 'Firmemente negando o ateísmo, Einstein expressou uma crença no "Deus de Espinoza, que se revela na harmonia do que existe'". Isto realmente motivou seu interesse na ciência, como ele certa vez afirmou a um jovem físico: "Eu não sei como Deus criou este mundo, eu não estou interessado neste ou naquele fenômeno, no espectro deste ou daquele elemento. Eu quero conhecer os Seus pensamentos, o resto são detalhes". O famoso epíteto de Einsten sobre o "princípio da incerteza" era que "Deus não joga dados" - e para ele esta foi uma real declaração sobre um Deus em quem ele cria. Uma das suas afirmações famosas é: "Ciência sem religião é coxa, religião sem ciência é cega".

Algumas fotos incríveis que achei no Facebook

Em homenagem ao dia da fotografia, com iniciativa da Folha de São Paulo.
Curtam!











=)

Carro do Google Street View revela seu lado artista



Fotógrafo seleciona imagens belíssimas, feitas de forma aleatória pelo carro do Google Street View.


Quem nunca ficou brincando no Google Street View? Seja vendo a aparência de determinado endereço, seja procurando cenas inusitadas, praticamente todos já se pegaram alguma vez divertindo-se com as imagens de ruas tiradas pelo famoso carro do Google.
Foi nesse contexto que o fotógrafo Aaron Hobson teve uma ideia diferente: separar as imagens mais belas registradas pelo carro do Google Street View. O resultado é surpreendente.

 Carro do Google Street View revela seu lado artista
Aaron Hobson explica a meta de seu projeto:

Em busca de terras distantes e encantadas, tipicamente reservadas apenas aos olhos de seus habitantes, mas agora capturadas por uma câmera automática e esteticamente-neutra em um carro de street view que perambula.
Curiosamente, as imagens transmitem sensações como melancolia e solidão, baseado em seus efeitos de cores, sombras e, sobretudo, os ângulos interessantes. Mas a crítica desse trabalho reside no fato de que todas as fotos são frutos do acaso, sendo apenas algumas poucas dentre as centenas de milhares que a câmera do carro tirou.

Crotone IT 590x269 Carro do Google Street View revela seu lado artista

Okinawa 590x270 Carro do Google Street View revela seu lado artista

 Carro do Google Street View revela seu lado artista

 Carro do Google Street View revela seu lado artista

 Carro do Google Street View revela seu lado artista

 Carro do Google Street View revela seu lado artista

Apesar de, a primeira vista, o experimento parecer provar que qualquer pessoa (ou mesmo máquina) pode tirar uma boa foto, ele acaba sendo um tributo à arte da fotografia, por mostrar que enquanto uma máquina precisa de milhares de tentativas aleatórias para acertar algumas poucas fotos, existem profissionais que utilizam sua sensibilidade para observar cenários e capturar cenas deslumbrantes com apenas alguns cliques.
Se você quiser ver mais imagens selecionadas por Aaron Hobson, é só clicar aqui.
Extraído do site Fala Cultura.

Entrevista: Tanlan



Pessoal, desenterrei uma entrevista que eu e o Éder Duarte montamos com a banda Tanlan, no final de 2009, no atualmente habitado por aranha 1 Só Palavra. É pra conhecer um pouco mais sobre essa banda cada vez mais evidente no cenário do rock alternativo cristão (e, por que não, referência do gênero no Brasil). 


"Fábio Sampaio, vocalista da banda gaúcha Tanlan, por email, nos cedeu essa entrevista exclusiva, onde quem não conhece ou já ouviu o som dos caras pode saber mais sobre ela, seus objetivos, influencias e muito mais.

Ficou curioso? É só seguir lendo!

1SP - Quem conhece a Tanlan hoje, pela internet, rádio, tv... poderia supor que ela é bem mais 'velhinha' e 'experi' do que imaginam? Afinal, que história é essa da 'antiga' Fábio Sampaio & Banda? Quando começou essa idéia? Teve alguma influência para surgir posteriormente a Tanlan?

Tanlan: Na verdade, o embrião da TANLAN nasceu com a Fábio Sampaio & Banda. Dois integrantes da TANLAN, Tiago e Beto, mais o Fábio obviamente, juntamente com outro baterista, faziam parte desta formação. 
Era outro estilo, outro som e outra proposta, mais acústica, com violões, etc. Com a entrada de dois outros integrantes, Fernando, baterista, e Wilkirson, guitarrista que veio a sair mais tarde, a banda ganhou outra proposta, que é o formato atual.

1SP - Percebemos que no atual cenário musical brasileiro, há uma tendência a ser clichê. Vocês utilizam de suas influências para sair dessa linha, pendendo pro lado da autenticidade, que é um ponto forte da Tanlan?

Tanlan: Acho que o ponto forte da TANLAN são dois: 
1) A busca por letras que tenham conteúdo e não apenas um simples amontoado de frases de efeito, porque entendemos que a música é um instrumento muito forte de propagação de ideias e conceitos.
Tem bandas que propagam o sexo como fim em si mesmo, sobre o budismo, sobre a maconha, o desespero, a angústia, a falta de esperança, as mazelas de amores não resolvidos, revoluções, etc. A TANLAN se propõe a falar do amor eterno, que dura para sempre; a falar de que há esperança para se resolver um coração partido; há como resolver conflitos entre duas pessoas. 
Enfim, algo mais “positivo”, vamos dizer assim. 
2) Autenticidade é a coisa mais difícil na arte. 
Temos muita preocupação em não repetir fórmulas manjadas ou de soar como “tal época”. 
Mas ao mesmo tempo, não ignoramos o apelo popular que a música pop tem que ter. 
Portanto, acredito que estamos encontrando um caminho próprio em termos musicais, com um som forte, melódico, e quem sabe, único. 
1SP- Sempre surgirão notícias e afirmações do que fazer com a música, do poder dela, o que atingir com ela. Temos muitos exemplos de bandas que utilizam desse meio artístico para conseguir alguma coisa, seja a sustentabilidade mais que parcial ou seja algum trabalho posterior, social. Como vocês enxergam o trabalho que fazem?
TanlanComo disse antes, a música é um instrumento muito poderoso. Pode ser agregador, pode ser disseminador de muita coisa, boa ou ruim. Mas para a TANLAN, fundamentalmente, a música dever conduzir à reflexão. Ter a capacidade de provocar um questionamento no ouvinte, por mais que ele sinta o prazer do som, do ritmo, da melodia. Como somos uma banda de rock cujos membros são cristãos, nós cantamos o que vivemos. As letras refletem nossa visão de mundo e nossos valores como pessoas. E dentro dessa visão está o interesse de querer sim, fazer a diferença no meio em que vivemos. Talvez ainda nos engajemos em projetos sociais, como existe nos Estados Unidos a Habitat For Humanity, a World Vision e outros. 

1SP- A Tanlan já tem dois discos lançados: O primeiro, um EP com quatro músicas (Marionetes é a nossa favorita) e leva apenas o nome da banda como título. Já o segundo trabalho, vem como um turbilhão de criatividade, raízes e muita classe, dificilmente remete alguma outra coisa. ''Tudo que eu queria'' é a cara da Tanlan. Qual a identidade de vocês? Como vocês classificariam som?

TanlanEssa é sempre a pior pergunta para um artista, porque como disse antes, sempre há um desejo da originalidade na produção artística. Acreditamos que estamos encontrando um caminho original, que talvez seja concretizado daqui pra frente. Acho que o som da TANLAN é forte, agressivo em algumas vezes, soft em alguns momentos, mas melodicamente muito diferente do que há por ai.
Gostamos de juntar elementos melódicos do rock britâncio com a diversão e descompromisso do rock americano.
E acho que isso está presente nesse disco. Fica difícil de dizer qual nossa identidade. Quem deve afirmar isso é quem nos escuta e, principalmente, quem nos vê ao vivo. 

1SP - A banda U2 (uma das referências sonoras citadas por vocês) consegue combinar música com o que pensam e acreditam ser fundamental para um foco que desejam alcançar, pessoas. E conseguem também, esclarecer as coisas sem serem rótulados (Bandinha de Fé, Gospel etc). Percebemos que muitas bandas atualmente colocam um 'rosto' e uma 'roupa' a frente do trabalho, antes de simplesmente, tocar, ESTRAGANDO assim, ou, atrasando, toda a credibilidade recebida por ouvintes, pelo péssimo produto musical e distorções para qualquer coisa nas letras. A Tanlan tem uma preocupação incrível com todas as palavras cantadas. O que é mais fácil hoje: Sobreviver ao pobre meio artístico dos que se dizem 'alguma coisa', ou sair 'pelas beiradas' (fazer música pra pensar) como forma de serem livres pra tocar como e aonde for?
TanlanU2 é uma ótima referência. Por princípio, a TANLAN nasceu para tocar em qualquer lugar. Porque entendemos que a mensagem das letras serve para todas as pessoas. Estamos falando de seres humanos, que erram, se frustram, sentem-se sozinhos, etc.
Mas sem a pretensão de soar “cabeça”, porque periga ficar muito chato. Se você reparar na letra da faixa Tudo Que Eu Queria, ela discorre sobre a desilusão de um garoto que queria ser como o pai, mas não conseguiu. E sente falta daquela inocência onde o pai era tudo pra ele. Esta não é uma letra “cabeça” , é apenas uma história. Mas se você quiser, pode ser um paralelo sobre a perda da inocência, sim. 
Quero dizer com isso que nos preocupamos em passar sentimentos e reflexões nas letras sim, mas sem forçar muito a barra.

1SP- O ano tá acabando e não sei aonde e qual CD comprar pra me dar de Natal. A Tanlan dá algum palpite?

TanlanCompre o nosso, ora! E se quiser, uma boa dica é o novo do Switchtfoot - Hello Huricane. Uma banda que é referência pra gente em várias coisas. 

1SP- Mandem um recado pra quem estiver lendo a entrevista... além disso, o que podemos esperar da Tanlan para 2010?

TanlanFaçam diferença, sejam relevantes, descubram, desenvolvam e usem seus talentos da forma mais sábia possível. Amem as pessoas ao seu redor e tentem de todas as formas mostrar que a vida é muito mais do que viver o agora.
Em 2010 a Tanlan pretende desbravar ainda mais os rincões do RS e o Brasil. 
Shows, textos, músicas novas e vídeos interessantes vêm por aí.
Aguardem!


Fábio Sampaio, Tiago Garros, Beto Reinke e Fernando Garros.


Twitter da banda: @tanlan

Por: Éder Duarte

10 coisas interessantes que (certamente) talvez não te acrescente em nada...


O site Lear Some Thing Everyday é um livro repleto de curiosidades gerais. É verdade que muitas delas não vão mudar nossas vidas, mas todo conhecimento é bem vindo. Confira 10 destas curiosidades sobre variados assuntos.
cr11 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr2 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr3 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr4 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr5 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr6 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr7 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr8 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr9 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia
cr10 10 coisas interessantes que provavelmente você não sabia

Fonte: obuteco